Memória Roda Viva

Listar por: Entrevistas | Temas | Data

José Alencar

19/9/2005

Vice diz que o presidente é um homem de bem e que aceitaria ser novamente companheiro de chapa de Lula

Baixe o player Flash para assistir esse vídeo.

     
     

Paulo Markun: Boa noite. Apesar da característica da função, ele acha que alguém poderá perguntar por que deixou de fazer isso ou aquilo, por que deixou de participar, e é com esse raciocínio que ele procura marcar a sua atuação de vice, com a ênfase que julga necessária e com a discrição que o sangue mineiro recomenda. O Roda Viva entrevista esta noite o vice-presidente da República José Alencar, que também é ministro da Defesa.

[Comentarista]: Mineiro de Muriaé, José Alencar Gomes da Silva foi para Caratinga aos dezoito anos, onde começou a vida com um pequeno bazar que abriu como seu primeiro negócio.Com o tempo, virou atacadista de tecidos até 1967, ano em que criou a Coteminas, Companhia de Tecidos Norte de Minas em Montes Claros. Hoje, com onze unidades, a empresa é um gigante da indústria têxtil nacional e, o mais famoso empresário mineiro, também virou o mineiro mais famoso do governo Lula. Símbolo da aproximação do bom trânsito do governo com setores empresariais, José Alencar foi firmando uma carreira política que é bem mais nova do que a carreira de empresário. Começou em 1994, como candidato a governo de Minas pelo PMDB. Sua primeira eleição, no entanto, só ocorreu em 1998 quando se tornou senador. Em 2001, filiou-se ao PL e saiu candidato à vice-presidente na chapa de Lula. De histórico empreendedor e nacionalista, José Alencar surpreendeu o país ao adotar dentro do governo posição crítica contra a política de juros altos, dizendo que eles dificultam o crescimento econômico e, como influenciam o déficit público, também impedem a correção dos salários dos militares, problema que Alencar herdou ao acumular  - desde novembro de 2004  - o cargo de ministro da Defesa. Este ano, os problemas do vice-presidente retornaram à esfera pessoal e o levaram a outra internação hospitalar para uma angioplastia de emergência, depois de um exame cardiológico de rotina. Recuperado, o problema de José Alencar agora é decidir em qual partido político vai entrar. Ele deixou o PL este mês, em meio à crise política que também envolveu parlamentares do partido e levou o presidente Valdemar Costa Neto a renunciar ao mandato de deputado. Cobiçado por outras siglas, em especial pelo PDT e PMDB, José Alencar tem dito que não é candidato a nada em 2006, mas se ele se filiar a algum partido até o final deste mês, que é o prazo que tem, estará dado o sinal que alguma eleição está na mira do vice-presidente.

Paulo Markun: Para entrevistar o vice-presidente da República José Alencar, nós convidamos Clóvis Rossi, colunista do jornal Folha de S. Paulo; Josemar Gimenez, diretor de redação do jornal O Estado de Minas; Helena Chagas, diretora da sucursal de Brasília do jornal O Globo; Carlos Marchi, coordenador de política do jornal do O Estado de S. Paulo; Mário Simas Filho, editor chefe da revista Isto é; Alexandre Machado, editor de política da TV Cultura; e Delmo Moreira, redator chefe da revista Época. Também temos a participação do cartunista Paulo Caruso, registrando em seus desenhos os momentos e os flagrantes do programa. O Roda Viva, como você sabe, é transmitido em rede nacional de TV para todo Brasil, Boa noite.

José Alencar: Boa noite.

Paulo Markun: Eu queria agradecer a presença do senhor aqui e fazer a primeira pergunta que é a seguinte: o senhor realmente não pretende disputar as eleições de 2006?

José Alencar: Olha, você sabe, Markun, que eu me desfiliei do partido a que pertencia, e confesso que tenho lá grandes amigos e todos sempre me trataram com a maior consideração, maior apreço. Então, eu jamais estou saindo do partido por aborrecimento com o partido, eu fiquei realmente muito contrariado e desconfortável na vida política no momento em que começou acontecer tudo isso que está levando, nos levando a essa crise, que atingiu não só alguns partidos, atingiu o campo político como um todo e  eu resolvi-me desfiliar para voltar para casa, foi assim é que eu me desliguei do PL. Não foi combinado com nenhum outro partido e nem pensando em procurar outro partido. Imediatamente, comecei a ser procurado por amigos, não só do mesmo partido, como também de vários outros, e muitos do meu estado, e também de vários partidos, porque nós temos vinte e oito partidos no Brasil.  Então, muitos partidos me procurando para que me filiasse, e argumentando se eu não quero ser candidato, não significa que eu tenho que ser pelo fato de pertencer a um quadro partidário. Então, estou ainda pensando, mas por enquanto a minha posição é a mesma, era apenas de me desfiliar.

Carlos Marchi: Para onde se inclina a sua simpatia neste momento, senhor vice-presidente? Até porque estamos perto do prazo de filiação obrigatória.

José Alencar:Veja bem. Nós poderíamos dizer, Marchi, que hoje não há mais aquela inclinação do ponto de vista ideológico, porque acabou se transformando, a ideologia política, numa imagem do passado. Hoje, a ideologia política está muito mais voltada para uma, vamos dizer, uma posição de desenvolvimento, de progresso, como meio para que se alcancem os objetivos sociais, do que propriamente ligada ao problema do socialismo radical, porque houve 70 anos de experiência na União Soviética. A China começou 1948, 1949 com Mao Tsé-tung [1893-1976, líder da revolução socialista na China, governando-a até sua morte, em 1976], mas começou a desenvolver-se e resolver o problema da economia, a partir do momento em que... então, não importa a cor do gato, o que importa é que ele caça o rato, querendo dizer: não importa a coloração ideológica, o que importa é o bem comum. Então, a minha inclinação está para um partido que queira, vamos dizer, promover um desenvolvimento nacional, defender as cores do nosso país, intransigentemente.

Josemar Gimenez: O PT, vice-presidente, nos três partidos que namoram o senhor, o PDT, o PSB e o PMDB, pelo que o senhor disse o senhor está mais perto do PMDB?

José Alencar: Não. Veja bem, Josemar, o PMDB foi o meu primeiro partido e eu me filei ao PMDB em 1993. E todos que me conhecem sabem que eu fui para um partido político pensando em levar alguma contribuição oriunda da minha experiência no setor privado. Eu não fui para política para fazer profissionalismo político, eu fui para prestar um serviço, uma doação da minha vida. Foi assim que fui; tanto que aceitei disputar uma convenção no partido e fui candidato do partido a governador. Em 1994, fiquei em terceiro lugar. Em 1998, me buscaram, eu já tinha voltado para casa. Depois daquela derrota em 1994, eu achei que não havia mais idade, mais tempo para estar iniciando a vida pública. Então, voltei para casa. Fui trabalhar, ainda que não estivesse me desligado do partido. Então,  fui realmente buscado na minha casa para ser o candidato ao Senado e acabei ganhando a eleição para o Senado. Eu confesso que tenho saudade do Senado, porque é uma casa apropriada para uma pessoa que tem o meu temperamento de independência. O Senado tem uma tribuna nobre, então, eu tenho saudade. Mas os quatros candidatos à presidência quiseram que eu fosse seu vice, eu aceitei o convite do Lula, o nosso partido fez aliança e nessa altura ingressei no PL, que eu tinha me desligado do PMDB.

Helena Chagas: E o senhor continua com o presidente Lula, vice-presidente, independentemente da sua opção partidária. O presidente Lula, é o que parece, ainda é  candidato à reeleição, o senhor acha que ele deve disputar a reeleição e o senhor o apoiará, independentemente de onde o senhor estiver?

José Alencar: Olha, Helena, não existe candidatura à vice. Vice tem que haver um convite e uma aceitação. Obviamente que quem está no poder não pensa em eleição tão cedo. Eleições estão longe para nós, especialmente para o Lula, que é o presidente da República. Mas eu confesso para você que tenho por ele a maior admiração como homem público, homem de bem, um homem que tem dado demonstração de um apreço muito grande pelas questões ligadas aos aspectos sociais do Brasil. O que tem sido feito por ele é um esforço admirável nessa área, um homem responsável.

Helena Chagas: O senhor acredita que mesmo depois do escândalo envolvendo o PT, o  senhor acredita que ele será candidato?

José Alencar: Olha, eu acho que sim. Primeiro porque é o que possui as condições de maior aceitação no Brasil. Apesar de toda crise, eu digo que...

Clóvis Rossi: A possível condição básica que o senhor acabou de expor, que é a questão do desenvolvimento. Se o senhor diz que saiu, que procuraria um partido que tratasse da questão do desenvolvimento, considerando que as ideologias estão superadas, é óbvio que este governo, até mesmo pelas críticas que o senhor faz, as taxas de juros que, evidentemente, bloqueiam o desenvolvimento maior, crescimento maior. Então, falta ao presidente Lula e ao governo do presidente Lula... E ele é, evidentemente, o responsável pelos juros a não ser que o senhor nos conte que o doutor Henrique Meirelles [presidente do Banco Central do Brasil, desde 2003]  engana toda vez que o Copom [Comitê de Política Monetária, é um órgão financeiro instituído em 20 de junho de 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa básica de juros] subiu os juros. Então, não falta essa condição básica, para o senhor mesmo, que é o da questão do desenvolvimento?

José Alencar: Você falou, toda vez que o Copom mexe nos juros. O que tem o doutor Fernando Henrique?

Clóvis Rossi: Não. O doutor Henrique Meirelles, ainda que esteja enganando o presidente Lula atentamente...

José Alencar: Henrique Meirelles. A primeira vez ele falou Fernando Henrique, não falou?

Clóvis Rossi: Não, não. Falei Henrique Meireles.

José Alencar:Tá. Veja bem. Há uma grande independência, uma grande autonomia do Banco Central e do Copom e o presidente da República é um homem muito responsável. Ele tem a absoluta segurança de que deve dar ao Copom essa independência para administrar a política monetária nacional como instrumento de combate à inflação. Então, isso é um fato. A intenção do presidente, nesse particular, é uma intenção santa, ele está absolutamente seguro.

Clóvis Rossi: Então, posso concluir que o senhor que é o responsável, pois o senhor defende os impostos, defende a queda dos juros.

José Alencar: Não, veja bem.

Clóvis Rossi: Não dá para combinar as duas coisas.

Delmo Moreira: O senhor é contra a política dos juros? Você acha que é justo que o governo tenha mais a comemorar como se fosse uma vitória, um sucesso? O senhor acha que essa comemoração é imprópria?

José Alencar: Não. Mas o presidente quando comemora o quadro da economia, ele está considerando como economia não o Banco Central, muito menos o Copom e nem mesmo o Ministério da Fazenda ou Indústria e Comércio ou Ministério de Agricultura, porque economia não é isso. A economia real de qualquer país está representada pelo setor primário, secundário, terciário e pela infra-estrutura. Então, essa é a economia que nós temos que defender, que é agricultura, pecuária, mineração que estão no setor primário, indústria, no setor secundário, assim como comércio, turismo, nunca ninguém fez pelo turismo o que faz este governo, nada. Da mesma forma, a infra-estrutura, a energia e transporte, isso que é economia de um país.

Delmo Moreira: Mas o presidente quando fala isso, ele acha que a economia vai bem como resultado da política econômica dele.

José Alencar: Veja bem, é aquela história. Nós, quando assumimos, e hoje até conversando um pouco cheguei abordar esse aspecto, Delmo não é? Você cobriu o seu nome.

Delmo Moreira: Desculpe.

José Alencar: Delmo, você sabe que conversando hoje, eu estava dizendo, lembrando apenas, e chegando à conclusão de que Deus é brasileiro. Por que Deus é brasileiro? Porque nós tivemos quatro anos de governo do presidente Fernando Henrique [sociólogo, professor universitário e político brasileiro, foi presidente do Brasil entre os anos de 1994 a 2002], os primeiros quatro anos com uma política cambial [determinadas ações políticas do governo que influem no comportamento do mercado de câmbio e da taxa de câmbio] absolutamente equivocada, só que não havia atrelamento à Constituição, como foi no caso da Argentina. Em ocasiões quase iguais, a Argentina começou um pouco antes e durou um pouco mais, então, Deus foi brasileiro naquele momento e permitiu que o mercado atropelasse o câmbio no final de 1998. Não foi, vamos dizer, uma decisão governamental a mudança cambial.

Paulo Markun: O senhor está esperando algum milagre, não é? Agora. O senhor está esperando algum milagre aí que bata os juros?

José Alencar: Não, eu estou contando, Markun, isso que eu penso. Então, em 1999 já se esperava, no início do ano. E muitos comentários já eram postos de que nós teríamos uma reversão daquele déficit da balança comercial de transação corrente, que levava o país a uma situação cada vez mais difícil e nós, então, conversávamos sobre isso. Eu, por exemplo, sempre pensei, na minha campanha para o Senado, em 1998 eu sempre disse isso. E no Senado, depois em 1999, eu disse isso: que nós não recuperaríamos facilmente aquele prejuízo, porque precisava que as empresas se preparassem para as exportações, para assinar contrato, se preparassem para voltarem-se para o mercado internacional. E agora o câmbio dá condições para isso. Então, havia um estímulo em 1999, 2000, e foi realmente crescendo. Não que o déficit tivesse sido morto em 1999, ele foi sendo reduzido aos poucos, até que chegou ao superávit extraordinário o ano passado, no crescimento, porque a economia foi se preparando para conquistar o mercado internacional.

Helena Chagas: O senhor esperava ser mais ouvido nesse debate intenso?

José Alencar: É o seguinte. Nós não queremos câmbio, vamos dizer, que nos favoreça, nós queremos câmbio que nos dê condições de igualdade. Por exemplo, a economia brasileira: há poucos países que possuem as condições econômicas que o país possui. Para os cinco países maiores do mundo a Rússia, a China, o Canadá, Estados Unidos e o Brasil, o Brasil, dentre esses cinco países, é o que possui melhor terra, água e solo. Qualquer especialista estrangeiro chega e conhece as condições brasileiras e escreve sobre isso. Pois bem, então, o Brasil possui condições excepcionais de recursos naturais para a sua economia. Além disso, são poucos os países que possuem os recursos humanos que o Brasil possui, a própria miscigenação da nossa raça nos confere, como todos sabem, uma versatilidade fantástica, o operário brasileiro tem uma facilidade grande de aprender as coisas e fazer as coisas com maestria.

Clóvis Rossi: Pois é, mas...

José Alencar: O Brasil é um país que tem condições excepcionais.

Clóvis Rossi: Mas se o Brasil cresce tanto...

José Alencar: Desde quando não atrapalhemos. E quando nós adotamos uma política que nos leva a um câmbio equivocado, como foi aquele dos primeiros quatro anos do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, e agora tendo em vista essas taxas de juros despropositadas que nos levam a esse câmbio equivocado...

[ ]: Então, a política econômica está atrasada?

José Alencar: Nós estamos contribuindo para prejudicar o dia de amanhã nesse esforço fantástico que é feito pelo [projeto] Agro. Também pelo setor secundário e terciário, especialmente na área do turismo. Isso é um fato.

Helena Chagas: O senhor cansa de falar isso para o presidente Lula também, não é vice-presidente? O senhor fala do debate interno do governo.

José Alencar: Pois é, o presidente Lula é absolutamente responsável. Há na nossa cabeça  - que tem que haver naturalmente uma política, isso eu não sei o que é, parece um pacto com o diabo - nós temos que ter uma política, que parece uma política um pouco covarde nesse particular, então eu penso, por exemplo, pela experiência que tenho, eu acho que sabendo que um ponto percentual dessa taxa Selic significa para nós, só na parcela que é atrelada à dívida, a dívida rolada com a taxa Selic, coisa de seis bilhões, um pouco mais, cada ponto percentual. Olha, nós não temos dinheiro, direito para a educação, para saúde, para saneamento, para estradas que precisam, porque essas estradas acabaram.

Clóvis Rossi: Pois é, eu não consigo entender como é que o senhor pode dizer que o presidente Lula é responsável.

José Alencar: Mas ele é.

Clóvis Rossi: Se é o governo dele é responsável por esse quadro que o senhor está pintando... Não tem dinheiro para estradas, paga uma montanha de dinheiro de juros, quer dizer, qual é a responsabilidade? Não é uma irresponsabilidade desatender todos os outros setores da economia para pagar os juros que pagam?

José Alencar: Mas, veja bem, Rossi. No Brasil há uma - por isso que eu falo que parece um pacto com o diabo -  há alguma coisa que nos colocaram na cabeça: que nós temos que pagar essa taxa de juros como instrumento de combate à inflação, essa taxa de juros 10, 12 vezes a média internacional Então, isso está errado. Mesmo porque, dessa inflação, trinta porcento ou um pouco mais advém de preços administrados como energia, como transporte coletivo nas cidades, como por exemplo, telefonia e também de preços cartelizados como petróleo. Então, não adianta taxa de juros de qualquer tamanho mesmo que fosse de cem porcento ao ano, essa taxa Selic ela não seria instrumento capaz de combater esse tipo de aumento de preço. E, além disso, há também outro fato: dois terços da nossa população de cento e oitenta e tantos milhões de brasileiros, ou seja, cento e vinte milhões de brasileiros consomem o essencialissímo, não são consumidores de bens que possa, vamos dizer, sofrer um achatamento de consumo provocado por uma taxa de juros elevada. Então a taxa é inócua para quem consome o essencial, vamos dizer, essencialismo.

[todos falam ao mesmo tempo]

Clóvis Rossi: Então é o diabo que é brasileiro e não Deus, porque é uma política diabólica, pelo o que o senhor está descrevendo, não sou eu que estou dizendo.

José Alencar: Eu estou descrevendo... veja bem.

Clóvis Rossi: É o senhor que está descrevendo uma política diabólica, então Deus não é brasileiro, o diabo que é brasileiro.

José Alencar: Eu acho que apesar dessa política o Brasil tem demonstrado uma força muito grande em desenvolvimento.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: E essa política está sendo mantida por força de uma chamada responsabilidade fiscal. Eu gostaria de colocar isso com clareza para que vocês entendessem o que eu falo, do contrário fica parecendo que eu sou um louco.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Porque já falaram que eu sou um risco para o país.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Já disseram que eu sou um risco.

[todos fala ao mesmo tempo]

José Alencar: Então, o seguinte, eu não sou um risco coisa nenhuma, eu sou...

Clóvis Rossi: Risco é...

José Alencar: Eu acho, nós temos que ter responsabilidade fiscal. Responsabilidade fiscal significa orçamento equilibrado. Nosso orçamento é deficitário em função do custo de rolagem da nossa dívida, esse custo despropositado, que alguém diz assim: mas há a dívida e se há a dívida [ela] tem que ser paga, os juros dela também têm que ser pagos, só que esses juros estão muito acima do que poderiam ser...

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Muito acima, não precisava disso.

Carlos Marchi: Eu tinha uma imensa curiosidade em entender essa questão dos juros um pouco mais a fundo. O senhor fala reiteradamente, a sua cantilena, o seu mantra: baixar os juros, baixar os juros. Se o senhor fosse, por uma hipótese absurda, presidente, aliás, nem tão absurda assim, o senhor ser amanhã presidente da República o senhor vai baixar os juros. Como é o arcabouço disso? Como é que o senhor pensa nesse arcabouço ou não existe uma política, é só jogar água montanha abaixo?

José Alencar: Não, eu tenho...

Carlos Marchi: Como é baixar os juros na imaginação do senhor?

José Alencar: Veja bem. É questão de se dedicar a isso, com esse, o senhor não pode, por exemplo, o senhor de um grande jornal, o senhor não pode permitir que as atividades econômicas desse jornal sejam deficitárias. Então, por exemplo, o jornal compra papel de alguém, se esse papel tem um custo e o comprador de papel está pagando o dobro do preço do mercado por esse papel é claro que o jornal vai quebrar. Mas, e quando esse comprador está pagando dez vezes o preço de mercado? Então, vem a força da economia brasileira, nós estamos pagando dez vezes o que pagam no mercado internacional, a nossa taxa real de juros hoje gira em torno de quatorze porcento, que é essa taxa projetada para os próximos dez, doze meses, retirado também obviamente, nesses doze meses, uma inflação projetada aí de quatro, cinco porcento, então a taxa cai para quatorze mais ou menos, quatorze por cento como taxa real básica, enquanto isso a média mundial é coisa de um e meio porcento.

José Alencar: É como o jornal pagando dez vezes pelo preço do papel. Então por que não quebra? Porque o Brasil é muito forte.

Carlos Marchi: Mas o senhor não me respondeu. Eu perguntei se tinha um projeto por trás da baixa dos juros.

José Alencar: Ah, sim. Eu tenho até sugerido que fossem convidados luminares, a juízo do presidente, convidar para uma conversa com os luminares da economia, não são apenas os economistas acadêmicos, não. Os economistas acadêmicos e experientes, por exemplo, empresários experientes, grandes experientes que conhecem...

[  ]: Mas não é o tal do conselho do desenvolvimento, não é isso?
  
José Alencar: Colocar meia dúzia de um lado e a meia dúzia que está defendendo a política do outro.

[  ]: O senhor não acha...?

José Alencar: Eu vi isso por algumas horas... E fazer juízo...

Alexandre Machado: Vice-presidente, o senhor é contra o Banco Central independente?

José Alencar: Olha, veja bem, a independência do Banco Central, por exemplo, que nós conhecemos... Os Estados Unidos da América, o Federal Reserve [FED], tem independência. Sabe qual é o primeiro objetivo de quem comanda a política monetária dos Estados Unidos? É aproveitar o máximo do potencial de desenvolvimento do país, isso é a primeira coisa. O segundo ainda não é o combate a inflação, o segundo ainda é outro, qual seja o de criar condições para o máximo de empregos, é só ler o objetivo do FED, o máximo de empregos, depois é que vem a manutenção da estabilidade monetária.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Então, porque você, adotando apenas a taxa de juros na altura que você quiser para combater uma inflação, sem levar em consideração que o país precisa crescer, precisa gerar empregos. Hoje, nós estamos vivendo uma economia globalizada. Nós não podemos, de forma alguma, dar um tratamento diferenciado a empresa nacional, por quê? Por que empresa, seja ela minúscula, pequena, média, grande ou gigantesca, seja ela privada ou estatal, cada uma delas é uma fração da economia, porque a economia de um país é representada pelo setor primário, secundário, terciário e a infra-estrutura; e aí estão as empresas de um modo geral, elas representam a economia. Cada uma delas é uma fração. Se nós quisermos uma economia próspera, forte e independente como meio para que se alcance os objetivos sociais, é preciso que nós não atrapalhemos o desenvolvimento das empresas.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Agora, é preciso que as empresas sejam corretas, que elas sejam, vamos dizer, administradas com compromisso, com a lei, porque fora da lei não há salvação.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Então, a sonegação também tem que ser combatida rigorosamente.

Paulo Markun: Vice-presidente, nós vamos fazer o intervalo...

[intervalo]

Paulo Markun: De volta com a entrevista do vice-presidente da República, José Alencar, com uma rodada de perguntas de telespectadores das capitais brasileiras. Vamos ver.

[Vídeo com perguntas dos telespectadores]

Adelar Capellessi: Eu vivo no extremo da Bahia, em Barreiras. Como é que pode acontecer de quando nós fomos plantar a cultura do algodão o dólar estava mais de três reais e agora no momento da venda está menos de dois e quarenta? Como é que nós vamos pagar essa conta? Eu gostaria de saber se isso não tem maneira do governo controlar uma estabilidade melhor desse dólar no país?

Eduardo Rebouça: Eu gostaria de saber o que é que o senhor, que é vice-presidente, pensa que deve ser feito para colocar a economia do Brasil para funcionar, tendo em vista que o nosso país é o país que dá a maior taxa de juros do mundo, e como vão fazer para gerar os dez milhões de empregos prometidos na campanha.

Chico Daher: Senhor José Alencar, no início do governo Lula o senhor fez críticas à política econômica, principalmente com relação à taxa Selic. Hoje o Copom mantém a mesma linha conservadora, mas a economia mostra sinais de recuperação e de vitalidade. O senhor mantém a mesma crítica?

Max Andrade: O senhor faz duras críticas à política econômica do governo, principalmente as altas taxas de juros e não é ouvido pela política econômica. Como o senhor se sente fazendo parte desse governo?

Rafael Greca: Toda vez que se quer defender a atual política econômica se diz na imprensa que o Brasil precisa fazer a lição de casa. Eu pergunto: fazer a lição de casa não é, antes de tudo, cuidar do nosso povo? Se nós cortássemos os juros do Brasil de 19,5% pela metade, nós não ficaríamos ainda com os juros mais altos do mundo e não continuaríamos sendo um bom negócio para os banqueiros? Como é que nós podemos seguir o exemplo da Argentina e reduzir a dívida e ter um governo que se ocupe do bem-estar do povo?

[Fim do vídeo]

Paulo Markun: Se a voz do povo é a voz de Deus, como se diz por aí, por que o governo não escuta?

José Alencar: Veja bem, é aquela história. Nós precisamos acreditar e dizer: é assim o regime, o regime democrático. Nós temos que ter coragem de colocar aquilo que nós pensamos. Pode ser que em alguma coisa a gente esteja errada, tem que ter também a humildade de dar a mão à palmatória. Foi dito aqui, por alguns que participaram, alguma coisa muito correta, por exemplo, alguém disse: se essas taxas de juros, a taxa Selic, que é a taxa básica, que é instrumento de política monetária, fosse a metade, ainda assim seria a mais alta taxa do mundo, é verdade. Então, se ela fosse a metade, do ponto de vista nominal, ela seria dez por cento, então haveria uma economia de nove e meio, dez por cento. Sobre quanto? Sobre um número aí que é igual a seiscentos bilhões, que é o montante rolado pelo Selic, então só nessa parcela nós teríamos uma economia de sessenta bilhões de reais, sessenta bilhões seria o suficiente para que nós resolvêssemos todos os problemas ligados à educação, por exemplo, ensino básico, precisa melhorar o ensino básico.

Paulo Markun: Mas o senhor é super amigo do presidente Lula, eu sei disso.

José Alencar: Eu sou e falo muito isso.

Paulo Markun: E não adianta.

José Alencar: Agora, a verdade é que eu não sou economista.

Paulo Markun: E o presidente também não.

José Alencar: Eu não sou. Sim, mas eu não sou presidente e não tenho obrigação. Nenhum presidente, de qualquer país, tem obrigação de ser tudo, senão teria que ser médico para cuidar da saúde, ser economista do Banco Central, ser...

José Alencar: Eu quero dizer que o importante é que se converse. O que nós estamos fazendo aqui? Na minha opinião, eu quando  ingressei na política, ingressei como uma doação. Isso para mim não é sacrifício, porque é uma honra exercer um cargo público, especialmente eletivo, é uma grande honra para mim, porque o povo que me elegeu. Aliás, a rigor, como vice-presidente eu fui eleito graças à eleição do Lula, porque cidadão não digita o número do vice-presidente.

Paulo Markun: Mas foi uma escolha dele, uma escolha firme.

José Alencar: Agora, eu tenho consciência de que eu não atrapalhei, até ajudei um pouco na campanha.

Helena Chagas: Vice-presidente.

José Alencar: Então, fui eleito, agora, eu tenho orgulho e honra, eu estou fazendo uma doação da minha vida à vida pública.

[  ]: E está valendo à pena?

José Alencar: Vale a pena. Um exemplo é isso aqui, dessas pessoas que falaram aqui que são pessoas de várias origens. Vale a pena, a gente vê que essas pessoas estão falando exatamente aquilo que eu disse.

Mário Simas Filho: A sua mensagem está chegando a várias pessoas.

José Alencar: E são pessoas que têm coragem de mostrar o que estão falando.

Helena Chagas: O senhor fez a campanha junto com o presidente Lula. Quando o senhor foi candidato à vice, passava pela sua cabeça que o seu partido, o PL, recebia ajuda financeira do PT? O senhor tinha alguma noção desses escândalos do "caixa dois", do "mensalão"? O senhor acabou de dizer aqui no programa que saiu do PL muito constrangido, muito chateado com essa história toda. O PT também foi derrubado nesse escândalo. Como é que o senhor vê isso aí? O senhor sabia de alguma coisa?

José Alencar: Não, Helena, veja bem, a história, por exemplo, até fui objeto de uma especulação com o meu nome, porque eu participei de uma reunião em casa do deputado Paulo Rocha [parlamentar do PT, foi acusado de envolvimento no suposto esquema do "mensalão", renunciou ao cargo em outubro de 2005] e do deputado Meneguelli [Jair Meneguelli, ex-presidente da CUT e parlamentar do PT], eles moravam juntos no mesmo apartamento.

Helena Chagas: Valdemar Costa Neto [parlamentar do PL que renunciou para não perder os direitos políticos com uma eventual cassação, no decorrer do escândalo do "mensalão"] contou essa história.

José Alencar: É, então. Houve uma reunião, foi a última reunião. Foi ali que foi fechada a nossa aliança.

Delmo Moreira: O senhor sabia que eles estavam tratando de dinheiro?

José Alencar: Como?

Delmo Moreira: Primeiro, eles fizeram a pergunta.

José Alencar: Sabia.

Delmo Moreira: Foram para o quarto e o senhor e o presidente Lula ficaram na sala?

José Alencar: Não. Eu sabia, eu sabia.

Delmo Moreira: O senhor sabia que o assunto era dinheiro.

José Alencar: Sabia, sabia, e já falei isso e vou repetir. Ali é o seguinte: foi dada uma idéia de que a campanha teria obviamente recursos, recursos. Todas as empresas fazem doações, recursos.

Delmo Moreira: Um costuma dar dinheiro para o outro.

José Alencar: Não. Recursos da campanha. Porém, como é que seriam distribuídos esses recursos da campanha, por quê? Porque veio no período da tal verticalização, que trouxe uma preocupação muito grande de vários deputados do PL que não queriam mais, assim como o PT, que também não queriam mais a aliança, porque a aliança no município deles, ou na região deles, não era uma aliança que os ajudassem na campanha. Então, mas tem os recursos da campanha, os recursos da campanha seriam distribuídos proporcionalmente. Então, na época alguém me informou que o PL tinha 21 ou 22, eu não me lembro.

Delmo Moreira: Mas que viriam do PT? 

José Alencar: Deputados. E o PT tinha 60, me parece. Então, a soma daria 80, 80 e poucos. Então, esses 20 e poucos do PL representavam 25%. E os 60 e poucos do PT representavam 75%. Portanto, os recursos de campanha deveriam ser distribuídos nessa proporção, de 25% dos recursos para o PL fazer a distribuição pelos estados.

Helena Chagas: Mas o senhor fala de recursos oficiais? Na verdade, ocorreu no "caixa dois", e depois o “mensalão”...

José Alencar: Pois, veja bem, o "caixa dois", Helena, eu não posso falar, eu não posso falar de "caixa dois". Porque aquela história, lá em Minas, os antigos nos ensinavam “fora da lei não há salvação”, se todos esses recursos que foram arrecadados depois da eleição fossem recursos dados de acordo com a lei, não teria acontecido toda essa coisa que muitos chamam de "lambança", que está aí. E, então, isso me aborreceu, o que me contrariou profundamente foi isso.

[todos falam ao mesmo tempo]

Clóvis Rossi: O senhor, como empresário e ainda por cima mineiro, o senhor nunca teve a curiosidade de perguntar de onde diabos vêm tanto dinheiro para campanhas tão milionárias como foi?

José Alencar: Em todos os casos, o Brasil inteiro está com essa pergunta, porque o que ocorre é o seguinte, eu...

Clóvis Rossi: Pois é, com essa pergunta. Agora, que alguém se confessou, durante esse período, o senhor nunca teve curiosidade de saber?

José Alencar: Veja bem. Primeiro eu nunca participei de qualquer recurso a não ser recurso que a minha empresa doou para a campanha. Eu não tenho nada a ver com nada de dinheiro em campanha nenhuma, de forma alguma.

Helena Chagas: O senhor nunca fez "caixa dois"?

José Alencar: E outra coisa, as minhas coisas são rigorosamente dentro da lei...

[  ]:  Qual é a sua opinião sobre...

[todos falam ao mesmo tempo]

José Alencar: Rigorosa mesmo. Se não fosse, eu não poderia ter sido candidato, porque o crivo que se faz é brutal. Você não pode imaginar, então, as minhas coisas são... E outra coisa, as empresas podem, a lei permite que elas façam doação de campanha, então, elas poderiam ter feito doação...

[  ]: Vice-presidente.

José Alencar: Por dentro da lei. Da mesma forma, os partidos recebendo por dentro, então, daí a razão da qual isso me aborreceu, porque isso virou tudo que está aí, e eu digo para você, Rossi, que o presidente da República é a grande vítima disso aí. Quem conhece a agenda do presidente como eu conheço: agenda que eu recebo de manhã, ou na véspera, a agenda do dia seguinte. É um horror a quantidade de compromisso do presidente da República durante um dia. Além disso, como ele viaja muito e, diga-se de passagem, tem feito um trabalho excepcional de viagens ao exterior tanto na Ásia, como no leste da Europa, como na Europa, como no Hemisfério Norte de modo geral, e no Sul, incluindo a África e aqui a América do Sul, o trabalho que o Lula tem feito é um trabalho admirável nas relações internacionais, é um colosso.

Helena Chagas: Ele fala que foi traído.

[todos falam ao mesmo tempo]

José Alencar: Então, nenhuma pessoa que não conheça essa agenda pode admitir que o Lula tivesse qualquer conhecimento de administração partidária, é zero de administração partidária. É óbvio...

Clóvis Rossi: O Delúbio Soares fez toda essa "lambança"?

José Alencar: A vítima está sendo coisa aqui, de  agora, deste ano.

Clóvis Rossi: Vítima de quem?

José Alencar: Vítima porque isso afetou o campo político.

Clóvis Rossi: Mas vítima de quem? Quem fez a "lambança toda"? Foi devido aos fatos sozinhos?

José Alencar: Olha, veja bem. Houve um despreparo brutal. Eu, por exemplo, tenho experiência nessa área financeira, porque eu sou um empresário há meio século. Não são esses empréstimos e ninguém pode acreditar nesses empréstimos.

Clóvis Rossi: Claro que ninguém pode acreditar, mas quem são os responsáveis?

Helena Chagas: Mas de onde vem esse dinheiro, então?

José Alencar: Não, o que eu tenho dito desde o primeiro momento é que isso deve ser investigado, rigorosamente...

[todos falam ao mesmo tempo]

José Alencar: Eu não posso falar outra coisa, eu não posso fazer um julgamento a priori contra ninguém.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Mesmo porque o próprio código de processo civil diz que o ônus da prova é de quem alega, está escrito: o ônus da prova é de quem alega. Então é preciso que haja, obviamente, uma investigação dura, uma investigação profunda, não tem outra forma de resolver isso.

Clóvis Rossi: Agora, como empresário de onde o senhor acha... Como o senhor diz corretamente que não é empréstimo, que isso aí é uma balela. De onde vem esse dinheiro na sua avaliação?

José Alencar: Se eu soubesse, eu seria um...

Clóvis Rossi: Não, não. Eu não estou querendo que o senhor me diga o CIC, RG das pessoas que puseram dinheiro.

José Alencar: Se eu soubesse, eu diria, porque é um crime.

Clóvis Rossi: Eu queria saber qual é a avaliação desse quadro, qual é a origem desse quadro.

José Alencar: Eu não sei, e posso lhe garantir que o Lula também não sabe e anda também preocupado com isso, e muito preocupado. Isso foi um desastre e não afetou apenas o partido do PT ou o PL, isso afetou o campo político. É por isso que eu fiquei ultra-aborrecido com isso, isso me... Eu, que diabo o que é que eu estou fazendo? Eu tenho a minha mulher, tenho os meus filhos, tenho os meus netos. Por que isso? Notícias, todos os dias nos jornais inteiros, a televisão inteira todo tempo.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: É um negócio sério. O que me deixou um pouco ainda duvidando se devo sair de uma vez, não ingressar em nenhum outro partido, que eu ainda penso em não ingressar em nenhum outro partido. Mas, é porque estavam as coisas, por exemplo... tem uma frase do Disraeli [Benjamin Disraeli (1804-1881) escritor e político britânico de origem judaica portuguesa], primeiro-ministro inglês, que diz que se reinava a democracia, a liberdade, nas Ilhas Britânicas era porque lá os homens de bem eram dotados da mesma audácia que os canalhas.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Então, se os homens de bem abandonarem a vida pública eles estarão se omitindo.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Mas eu tenho 73 anos, sou um homem de bem que tem o direito de voltar para casa.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: E de cabeça erguida.

Paulo Markun: Pergunta do Josemar Gimenez, que além de ser do estado de Minas é também diretor do Correio Brasiliense, registro ICQ.

Josemar Gimenez: O senhor tem que abrir um pouquinho para a bancada de cá, senhor vice-presidente, por que...

Alexandre Machado: Está nos abandonando.

[risos]

Josemar Gimenez: ...nos abandonando aqui. O parlamento, depois dessa série de denúncias, como muitos deputados dizem, "uma geléia completa", e amanhã, o presidente Severino Cavalcanti [na época da entrevista era presidente da Câmara dos Deputados, cargo ao qual renunciou após denúncias de tráfico de influência] entrega, faz a sua renúncia lá da presidência da Câmara, o senhor esteve com o presidente da República, que não quis falar sobre esse assunto e recebeu o Severino na sexta-feira. Eu gostaria de saber do senhor o seguinte: o que o governo imagina para esse cargo de presidente? Quem seria o nome? Com o que vocês estão discutindo? Como é que estão se constituindo esses nomes e como é que o senhor acha que deve ser o perfil dessa pessoa que vai entrar no lugar do Severino?

José Alencar: Olha. Primeiro, essa é uma questão de um poder independente que é o poder legislativo. O governo não se intromete no poder legislativo. Hoje, por exemplo, o que todos brasileiros gostariam e o governo também é que a escolha [do presidente da Câmara] recaísse sobre um cidadão que possuísse credibilidade, respeito, habilidade nacional, para tentar ver se melhora a imagem do campo político do Brasil inteiro.

Josemar Gimenez: Agora, o senhor tem o nome?

José Alencar: Não.

Josemar Gimenez: Algum predileto aí que o senhor acha?

José Alencar: A Câmara tem 513 deputados.

Josemar Gimenez: O senhor citaria três?

José Alencar: Não. Eu digo que a Câmara tem 513 deputados e, obviamente, a esmagadora maioria é constituída de gente boa, porque é aquela história, às vezes um elemento que tem comportamento censurável faz um estrago. Um. Então fica parecendo que é todo mundo, não é não. A Câmara tem muita gente boa e todos os partidos têm grandes nomes.

Alexandre Machado: O senhor falou sobre o interesse em se filiar a um partido que tem um projeto desenvolvimentista que coincida com a sua visão de paz e o PMDB está preparando um projeto, inclusive o ex-presidente do PMDB, Carlos Lessa, os coordenadores, o próprio governador, seu amigo...

José Alencar: É.

Alexandre Machado: O próprio governador, Garotinho, se diz também parte dessa discussão em todo um projeto desenvolvimentista. O senhor conhece esse projeto e o senhor levará em consideração esse projeto, na sua opção que deve ocorrer ainda por esses dias.

José Alencar: Olha, eu conheço muitas idéias do Lessa. O Lessa é um bom brasileiro, é um professor da universidade, é um ótimo economista que tem experiência administrativa, foi presidente do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Social] e é um homem de bem, e eu conheço as idéias dele. O projeto, pelo que eu sei, está sendo elaborado.

Alexandre Machado: E essas idéias dele coincidem com essa visão de vida que o senhor tem.

José Alencar: A sim. De desenvolvimentista.

Alexandre Machado: Que o senhor tem? Essa visão nacionalista...

[  ]: Seria um bom ministro da Fazenda?

José Alencar: Quem?

[  ]:: Lessa.

Helena Chagas: Lessa.

José Alencar: Eu não sei se o Lessa gostaria de ser ministro da Fazenda, o Lessa tem perfil para ser qualquer coisa.

Josemar Gimenez: Nervoso demais, não é não, senhor vice-presidente?

José Alencar: Como?

Josemar Gimenez: Nervoso demais, não é não?

José Alencar: O Lessa?

Josemar Gimenez: É.

José Alencar: Não sei, eu nunca fui...

Mário Simas Filho: Senhor vice, o senhor coloca de certa maneira uma desilusão contra a categoria, contra a classe política, na medida de todos esses acontecimentos, todas essas denúncias...

José Alencar: Acabei de falar aqui que a grande esmagadora maioria constitui, junto comigo...

Mário Simas Filho: Sim, mas o senhor também precipita um pouco a sua volta para casa em razão de tudo isso. Essa desilusão é coletiva, por isso eu dizia que existe uma descrença.

José Alencar: Mas no caso eu fiz angioplastia. Você sabe o que é uma angioplastia?

Mário Simas Filho: Existe uma descrença com a classe política, mas o senhor é ministro da Defesa também. Como os militares estão vendo tudo isso? Essa crise no Congresso, essa crise no executivo.

José Alencar: Olha, eu digo que tem até uma coisa que não é surpresa, porque os militares são muito bem formados e, obviamente, informados também. Além de bem formados. Agora, eu digo que eles não estão absolutamente preocupados com essa questão que se desenrola no Congresso Nacional, de forma alguma. Os militares são muitos cumpridores dos deveres, e é óbvio que eles têm preocupação de continuar na manutenção da lei e da ordem. Em relação, por exemplo, às fronteiras do Brasil, eles têm feito um trabalho admirável de ajuda também em situações de dificuldade em determinadas ocasiões, como já aconteceu no Espírito Santo, de vez em quando no Rio de Janeiro e outros estados da federação. Depois, veio o problema daquela morte daquela freira americana lá no Pará, eles mandaram dois mil homens, tomaram conta de várias cidades [refere-se ao atentado à freira e missionária norte-americana Dorothy Stang, em 2005, que trabalhava há mais de 20 anos no estado do Pará defendendo causas ambientais e trabalhadores sem-terra]. Precisa ver a população de lá, com que carinho elas tratam os militares que resolveram o problema lá na região. Agora, eu preciso que caia na situação regular de polícia, etc. Eles tem que voltar. Hoje eles estão lá. Por exemplo, o trabalho que o exército está fazendo, e que as forças armadas estão fazendo no Haiti. Agora que eu sou ministro da Defesa, eu substituí 150 homens por uma companhia de engenharia, porque lá precisava de algum tratamento também sanitário, problemas de saneamento, problemas sérios dentro da cidade. Estava havendo um acúmulo de lixo e um acúmulo brutal, precisava um trabalho de planejamento disso. Nós mandamos uma companhia de engenharia de 150 homens e está acontecendo um trabalho admirável, levantando o moral, vamos dizer, da tropa brasileira, que está lá, de mil e duzentos, é uma coisa extraordinária, do ponto de vista de força nacional, de prestígio nacional brasileiro em relação a esses outros povos. Então, o Brasil tem nas forças armadas uma instituição admirável sob todos os aspectos e não há nenhuma intromissão com relação ao aspecto político, ao contrário, há um cumprimento do dever de cada um e, mais do que isso, uma participação ativa nas questões que realmente são ligadas à atividade das forças armadas.

Paulo Markun: Vice-presidente,vamos ouvir agora uma pergunta do empresário Horácio Láfer Piva.

[Vídeo com Horácio Piva]: O senhor é um vice-presidente forte pela sua capacidade, sucesso, talento e senhoridade, mas forte ainda agora neste momento em que o presidente Lula fica mais isolado, pelo menos por aquelas forças políticas que o apoiavam. A minha pergunta, senhor vice-presidente, é se, levando em consideração tudo isso, além do enorme apreço que ele tem, não seria o momento do senhor de fato influenciar aquilo que é o mais importante, que é o choque de gestão no que falta de tempo para esse governo?

José Alencar: Bom, muito bem, Horácio. Obrigado pelas palavras generosas a meu respeito. O que posso dizer para você, Horácio, e o faço com maior prazer, é que há uma preocupação muito grande de todo governo, de todos os ministérios, especialmente os ministérios que estão ligados... Vou dar um exemplo de um ministro de Estado, ministro do Turismo, a preocupação dele, dia e noite, é melhorar, e tem melhorado, as condições brasileiras nessa área. Você vê, por exemplo, o ministro da Indústria e Comércio, que é muito conhecido de vocês aqui em São Paulo, tem feito um trabalho admirável à frente desse ministério, em todos os lugares. Agora, por exemplo, recentemente eu estive na Rússia, pois bem, lá é conhecido o trabalho do ilustre ministro Furlam do Ministério da Indústria e Comércio...

Paulo Markun: E o senhor acha que não precisa choque de gestão?

José Alencar: Da mesma forma o ministro da Agricultura está fazendo um trabalho. Isso é choque de gestão.

Paulo Markun: Ataque.

José Alencar: Isso é choque de gestão absoluto. Agora, nós podemos realmente fazer um trabalho de redução de despesas, é também choque de gestão. E isso tem sido objeto de preocupação do presidente em todas as reuniões ministeriais, a recomendação é de que se faça economia em tudo, há nisso, rigor absoluto. O problema é que esse rigor não chega ao ponto de você, Horácio, poder ajudar na dialética nacional que precisa ser formada.

[  ]: Senhor vice.

José Alencar: Porque a principal rubrica de despesa do orçamento é o custo do serviço da dívida, e ele está errado.

Carlos Marchi: A gente não precisa de choque de gestão na área social, por exemplo? O senhor está satisfeito com a gestão na área social?

José Alencar: Eu acho que é preciso, eu acho que é preciso choque de gestão em tudo, mas precisamos estar sempre renovando. Não é bem assim como se pensa, está se trabalhando muito, os ministérios trabalham “diuturnamente”, a dedicação é uma coisa admirável.

Carlos Marchi:  Ninguém está falando do trabalho senhor vice, está falando do resultado.

José Alencar: Mas os resultados são até bons, você vê o seguinte, se você pegar...

Carlos Marchi: Na área social?

José Alencar: Se você pegar a média de crescimento dos últimos vinte e cinco anos nós somos recordistas, por quê? Porque...     

Paulo Markun: O crescimento do quê?

José Alencar: O crescimento da economia.

Alexandre Machado: Mas o senhor nunca me faz a comparação da taxa de juros de outros países. Se fizer a comparação da taxa de crescimento dos outros países, a taxa de crescimento do nosso país é bastante modesta.

José Alencar: Exatamente, mas no nosso período nós tivemos um crescimento, no ano passado, de mais de 5%. Quer dizer, o primeiro ano foi nulo, mas o ano passado foi mais de cinco por cento.

[todos falam ao mesmo tempo]

Clóvis Rossi: Pois é, pode ser medíocre, mas pode ser o melhor dos últimos vinte e cinco anos, porque os anos anteriores foram pífios, medíocres, e esse resultado é melhor, nenhum governo pode se conformar num país com resultados tão medíocres.

José Alencar: E esses últimos resultados. E esses últimos vinte anos, vinte e cinco anos me levaram para a política, na esperança de que eu pudesse levar alguma contribuição oriunda da minha experiência, debalde a minha luta. Eu estou triste, eu ingressei na política tendo em vista esse crescimento medíocre dos últimos vinte e cinco anos, que é uma vergonha em relação às potencialidades do Brasil, e eu só via a razão pela qual isso aconteceu, nós sabemos o que aconteceu com o Brasil. Parece que é pecado, defender o nosso país é pecado. Nós estamos diante de um quadro internacional que hoje os países estão sendo administrados como se fossem uma gigantesca e ultra complexa empresa, como os Estados Unidos faz, como a China faz magistralmente. Nós temos que compreender isso. O país é uma grande empresa com 185 milhões de pessoas dentro dela, alguns trabalhando diretamente e outros vivendo de quem trabalha. Uma das coisas que mais me deixaram triste desde o momento que começaram, foram as migrações dos brasileiros, até clandestinamente, para os Estado Unidos e para outros países, isso é uma das coisas que sempre me deixaram triste, pensando em ingressar na política.

Clóvis Rossi: Aumentaram no seu governo.

José Alencar: Como?

Clóvis Rossi: Aumentaram no seu governo.

José Alencar: Pois é, aumentaram, por quê?

Clóvis Rossi: Por quê?

José Alencar: Porque nós não estamos aproveitando o potencial de desenvolvimento da economia brasileira.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Isso, eu falei agora mesmo, isso é o primeiro objetivo do FED [Federal Reserve, funciona de forma semelhante ao Banco Central do Brasil. É constituído por um conselho formado por sete membros que tem a função de controlar as finanças americanas, entre as quais, a taxa de juros]. Se nós queremos copiar o FED, então vamos copiar naquilo que ele tem de importante, o primeiro objetivo é aproveitamento máximo da potencialidade de desenvolvimento da economia, está escrito, não sou eu quem pôs.

Paulo Markun: Vice-presidente.

Clóvis Rossi: É aquela brincadeira que eu fiz no intervalo. Por que não estatizar o Banco Central?

José Alencar:
Gerar o máximo de emprego, gerar o máximo de empregos é outra coisa que precisa acontecer.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: E o Brasil tem condições para isso. E é por isso é que eu ingressei na vida pública, pensando, se eu chegar lá eu faço isso, é aquela história.

Paulo Markun: Só falta, então falta pouco. Nós vamos fazer um rápido intervalo.

[intervalo]

Paulo Markun: Está noite o Roda Viva entrevista o vice-presidente da República e ministro da Defesa José Alencar e nós retornamos ao programa com perguntas dos telespectadores de capitais brasileira. Vamos ver.

[Vídeo com perguntas]

Ricardo Rezende: Eu gostaria de perguntar ao excelentíssimo senhor vice-presidente da República, se ele, tendo oportunidade para assumir a presidência do nosso país, o que ele poderá fazer para que realmente a questão econômica e social do país possa alcançar as camadas menores do povo brasileiro?

Hélio Leitão: Eu indago o vice-presidente José Alencar, se vir a assumir a presidência da República, em que se distinguiria seu governo do governo capitaneado  presidente Lula?

Ronaldo Dimas:
Prezado vice-presidente José Alencar, tem sido um crítico contumaz da política econômica, principalmente das taxas de juros aplicadas no país, a famosa Selic. Essa vai ser a sua principal bandeira na campanha para concorrer à presidência da República?

Ariovaldo Barbosa: Em fase da crise política que vivenciamos hoje no Brasil e também em fase da corrupção genérica que se situa hoje no cenário político nacional, se teria coragem de se candidatar à presidente da República?

Nilmário Miranda: Nós temos uma enorme expectativa de que ele dispute as eleições em Minas Gerais em qualquer cargo, nós queremos. E o que eu queria saber, se nós vamos achar, juntos em Minas, defendendo o governo do José Alencar e apresentando uma alternativa própria ao estado de Minas Gerais.

Marconi Perillo:
O senhor,se fosse presidente da República, priorizaria o setor ferroviário, concluiria a ferrovia no alto sul e melhoraria a ferrovia Centro Atlântica, sobretudo eliminando os gargalos da Serra da Urtiga em Minas Gerais e do contorno de Belo Horizonte?

[Fim do vídeo]

Paulo Markun: Eu fico pensando o seguinte, vice-presidente. A posição de qualquer vice-presidente deve ser uma "saia justa" danada, porque a gente está ali, foi colocado ali para ser o substituto do presidente em eventuais ausências ou eventualmente, para completar o mandato. Eu imagino que tem que se estar preparado para estar nessa posição e, ao mesmo tempo, não se postula nunca isso firmemente. Nós estamos vivendo uma crise política no Brasil que coloca, o senhor vê aí, pelos vários depoimentos, que coloca o senhor, vamos dizer assim, na "porta do gol". Isso não lhe dá agonia?

José Alencar: Veja bem, estáo ali vários... governador de Goiás [Marconi Perillo], o ministro Nilmário Miranda que é companheiro nosso lá de Minas, foi candidato a governador da última eleição e grande amigo, e outros que participaram aqui das perguntas, elas se resumem numa candidatura, candidatura a qualquer coisa em Minas Gerais, como disse Nilmário, candidatura a presidência da República como perguntou o governador de Goiás, Perillo. Mas, veja bem, vocês aqui já sabem e muitas pessoas também que me conhecem que estão próximas de mim sabem, eu não posso ser candidato a nada, pois eu não tenho partido, eu sou sem partido, o candidato tem que ser filiado a um partido.

Clóvis Rossi: Mas até o dia 30 o senhor vai se filiar.

José Alencar: Corre a dúvida, eu não sei, não tomei essa decisão, então, eu não posso responder pelo dia de amanhã.

Helena Chagas: O senhor teria coragem de entrar no PT? O senhor teria coragem de entrar no PT neste momento?

Mário Simas Filho: Por que você não cogita o PT nas suas opções, agora que o senhor conhece o partido mais um pouco?

José Alencar: Não, é um partido admirável, eu sei totalmente disso.

Josemar Gimenez: Talvez esperar se o campo majoritário vai ganhar a eleição, ganhar...

José Alencar: Eu não posso, obviamente, passar o carro na frente dos bois. Eu me desfiliei e não fiz nenhum plano de filiação. Isto eu estou informando vocês aqui. Eu me desfiliei para voltar para casa, tanto que eu não falei com nenhum dos companheiros do partido, somente de deputados federais do PL, havia cinqüenta ou 52, e todos receberam uma carta minha, nenhum deles recebeu uma palavra minha que pudesse representar qualquer insinuação para que eles, mesmo os amigos mais próximos, para que eles fizessem o mesmo e se desligassem do partido, não é? Eu saí, confesso para vocês aqui, saí para voltar para casa.

Mário Simas Filho: Qual é a sua opinião sobre...

Josemar Gimenez: Vice-presidente, é...

José Alencar: A partir do momento em que eu me desfiliei começaram a acontecer vários argumentos.

Josemar Gimenez: Mas o senhor já estava querendo...

José Alencar: Você já sabe, você está sendo egoísta.

Josemar Gimenez: Qual é a sua opinião? Vice-presidente.

José Alencar: Você não está pensando na gente, coisas desse tipo.

[ ]: Vice-presidente, vice-presidente.

Alexandre Machado: Só há, mais ou menos, uma semana para tomar essa decisão. Não é isso? Porque o prazo é muito curto. O senhor vai precisar também conversar com os seus companheiros. O senhor vai começar a pensar, não é a partir de amanhã, o senhor já está hoje pensando aquilo. 

José Alencar: Eu tenho pensado dia e noite, eu tenho pensado dia e noite, Alexandre, não é agora que eu vou pensar, eu tenho pensado sobre isso.

Alexandre Machado: Então, o senhor já tem uma beirada de decisão.

José Alencar: Existe uma coisa que a gente aprende na administração.

Helena Chagas: O senhor disputaria a presidência contra o presidente Lula? O senhor disputaria?

José Alencar: Acho que, primeiro, estou pensando na filiação. Agora, estou mais nisso daí.

Helena Chagas: Depois o senhor se candidata, ou não?

José Alencar: Talvez . Eu vou me filiar; aí abre vários... me filiar ao partido A, B, C, D, E, F tem vários partidos.

[todos falam ao mesmo tempo]

Josemar Gimenez: Vice-presidente, vice-presidente. O senhor, numa recente conversa com a gente, que eu participei de uma entrevista, e, também aproveitando um pouquinho o final do último bloco onde o senhor faz um balanço dos 25 anos de vida pública; a gente notou um pouquinho de frustração, qualquer que seja, por conta de coisas que o senhor... Coisas que não dependessem restritamente do senhor. O senhor disse o seguinte: “no auge do governo, onde o governo estava gozando de um prestígio e popularidade, o nosso discurso de campanha ainda não assumiu o poder”. Então, eu pergunto ao senhor o seguinte: hoje faltam 15 meses e o governo vem numa imagem já bastante desgastada, a gente vê uma situação difícil de crise política. O senhor ainda tem esperança que nesses 15 meses o discurso de campanha assuma o poder, ou seja, vocês consigam fazer um governo que realmente prometeram aí, há quatro anos atrás.

José Alencar: Olha, eu digo o seguinte. Pode não ser, nesses dois anos e meio de governo, pode não ter sido um governo revolucionário, mas foi um governo bom, foi um governo sério, um governo honesto. Você não pode, de forma alguma, trazer a crise que aconteceu no campo político nacional para as hostes do governo, o governo não tem nada a ver com essa crise, o governo é vítima dessa crise.

Clóvis Rossi: A crise é responsável pelos outros dois partidos do governo PT e PL. Como é que o governo...

[todos falam ao mesmo tempo]

José Alencar: Exatamente que o governo é vítima dessa crise, o trabalho...

Clóvis Rossi: Mas, os dois partidos do governo, como é que é? Como é que pode ter uma crise em que os dois partidos do governo estão profundamente envolvidos e o governo não tem nada a ver com isso? Ninguém nunca tem nada a ver com isso?

José Alencar: Olha, eu digo que estou trazendo para vocês informação, vocês tem que compreender o seguinte: o presidente da República, ele não tem como se... Vamos dizer, fazer qualquer tipo de ingerência nos partidos, no seu partido, não tem como, ele não tem como. Ele tem absoluta convicção de que o partido está sendo administrado como deveria estar. O presidente é um homem sério, o presidente é um homem de bem, você pode acreditar nisso.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Nada vai lhe afetar a autoridade moral. Você vê o que aconteceu no Brasil, se fosse outro cidadão de moral abatido ou fraco, por qualquer razão já teria caído a essa altura, por muito menos do que isso.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Por muito menos e nós nos lembramos disso, eu me lembro disso, porque eu já era maior naquele tempo, por muito menos do que isso, caiu Getúlio Vargas.

Carlos Marchi: Senhor vice.

José Alencar: Por muito menos.

Carlos Marchi: Menos do que isso?

José Alencar: Por muito menos.

Carlos Marchi: Senhor vice.

[  ]: Acho que a situação agora é muito pior do que antes.

José Alencar: Muito pior, só que não afeta a autoridade do presidente da República.

[  ]: Senhor vice, por favor.

Carlos Marchi: Uma pergunta que eu queria lhe fazer desde o começo. O senhor e o Lula, evidentemente, dizem que não sabiam das coisas, eu acredito no que o senhor diz e acredito no depoimento que o senhor dá sobre o Lula. Agora, quando o senhor via o PL, que começou a legislatura com vinte e poucos deputados e, de repente, o PL tinha quase cinqüenta, o PP começou a legislatura com vinte deputados e, de repente, tinha quase cinqüenta, o PTB começou a legislatura, se não me engano, com 17 candidatos, tinha quase cinqüenta; o que o senhor achava que estava acontecendo?

José Alencar: Não, o PT, por exemplo.

Carlos Marchi: Que eles eram partidos muito atraentes?

José Alencar: Primeiro o PT...

Carlos Marchi: Por que as pessoas gostavam tanto de ir para o PP, para o PL?

José Alencar: Não , veja bem. O PT assumiu o poder, é natural que crescesse. Da mesma o forma o PL.

Carlos Marchi: Não, o PT não, eu não me referi ao PT, eu falei PTB, PP.

José Alencar: É PP. O PL, por exemplo, o PL tem o vice-presidente da República, então é natural que o partido crescesse, é assim mesmo.

Carlos Marchi: Mas dobrasse?

José Alencar: Sim, é natural que se dobre, por quê? A duplicação aí, ou a duplicação também que passe de uma base pequena de vinte e poucos deputados.

Carlos Marchi: Mas o senhor, em algum momento, se interessou em saber que tipo de aliciamento estava sendo feito?

José Alencar: Olha, vou dizer que...

Carlos Marchi: Que tipo de aliciamento estava sendo feito? Que tipo de argumentação estava sendo usada?

José Alencar: Não, porque eram grandes nomes para o partido. Eu digo o seguinte: eu, a rigor, não convidei ninguém, mas os recebi de tapete vermelho, porque eram gente boa, eles falavam: “Alencar, nós estamos vindo para o partido por sua causa”, eu fico, às vezes, até meio preocupado de ter saído do partido, porque muitos falam: “nós viemos por sua causa”, eu acredito que eles tenham vindo por minha causa, eu acredito.

Clóvis Rossi: Como é que podem ser gente boa se o senhor ficou desconfortável a ponto de sair do partido?

José Alencar: Aconteceu o caso de... Veja bem, eu não fiquei... Eu falei antes aqui, todos ouviram, eu falei que o problema meu não era contra o meu partido, eu tenho lá os melhores amigos.

Carlos Marchi: A sua opinião sobre...

Clóvis Rossi: Mas, enfim, qual é o seu problema?

José Alencar: O campo, o campo político foi...

Helena Chagas: Seu problema foi o Valdemar?

José Alencar: O campo político foi altamente afetado pela crise que atinge o nosso bolso.

Clóvis Rossi: Mas no campo político, o PL e o PT foram os mais afetados.

Delmo Moreira: A sua opinião sobre o ex-presidente do PL Valdemar Costa Neto é a mesma?

José Alencar: Ele não é o ex-presidente do PL, ele é o presidente do PL.

Paulo Markun: Ele é o atual vice-presidente

Delmo Moreira: A sua opinião sobre esse deputado.

José Alencar: Pior ainda.

Helena Chagas: É por isso que o senhor saiu.

Delmo Moreira: A sua opinião sobre ele é exatamente a mesma que o senhor tinha quando entrou no PL?

José Alencar: Não. A minha opinião sobre ele como cidadão é... porque nunca mudou o modo de ser comigo não. Sempre me tratou muito bem.

Delmo Moreira: Não, mas não estou falando como cidadão, estou falando como líder.

Helena Chagas: Comportamento como dirigente partidário.

Delmo Moreira: Dirigente partidário.

José Alencar: Não, veja bem, o que ele alega é o que os recursos que ele recebeu foram para fazer a campanha.

Helena Chagas: O senhor acredita nisso?

Delmo Moreira: Com mala, mala de rodinha? Ele descreve como mala de rodinha.

José Alencar: Mas isso eu não vi.

Delmo Moreira: Ele descreve.

José Alencar: Eu confesso que não vi.

Delmo Moreira: Ele descreveu numa entrevista.

José Alencar: Então descreveu longe de mim, porque comigo não falou em mala.

Delmo Moreira: Não, ele disse que quando começou o pagamento pelo apoio de defesa, o dinheiro chegava numas malas de rodinhas que ele descreveu. Ele deu uma entrevista.

José Alencar: Veja, eu perdi essa hora da rodinha e ainda não paguei.

Mário Simas Filho: A mala, então, tinha rodinha.

Clóvis Rossi: Mas, de uma forma ou de outra, ele renunciou ao mandato exatamente para não ser cassado, que é uma confissão de culpa, e continua igual, eu não consigo entender. O senhor disse que está uma baita crise, maior do que [àquela que] levou ao suicídio do Getúlio, que envolve o campo político. Quem é diabos o campo político, que está envolvido nessa crise? Quais partidos são? Porque não são muitos atingidos por essa crise.

José Alencar: Eu, por exemplo, fui grandemente atingido por essa crise, tanto é que eu me desliguei.

Helena Chagas: Quem são os responsáveis?

Clóvis Rossi: Eu não estou querendo vítimas.

Helena Chagas: Quem são os responsáveis?

Clóvis Rossi: Eu estou querendo responsáveis, não vítimas.

José Alencar: Eu não teria me desligado do partido.

Helena Chagas: Quem traiu o presidente da República?

Clóvis Rossi: Quem são os responsáveis? Não vítimas.

Helena Chagas: O presidente foi a TV falar que foi traído. Quem traiu?

José Alencar: Isso é uma pergunta que não pode ser feita para mim Ângela, Helena, perdão.

Helena Chagas: Quem o senhor pensa que...

José Alencar: Ela não pode ser feita para mim porque eu não sei, eu não sei, eu não posso dizer. O que eu posso dizer é que nenhum partido e nenhuma empresa doadora de recurso estava fora da lei. Porque fora da lei não há salvação, acontece isso que aconteceu, então, por quê? Porque foi fora da lei, se fosse dentro da lei, não teria acontecido isso. Se eu, como secretário ou tesoureiro de um partido, recebo uma doação e faço escrituração rigorosa dessa doação está tudo bem não tem problema nenhum, é transparente.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Então, o problema foi esse. Agora alguém alega: “mas há empresas que querem doar para os dois candidatos e não querem que nenhum dos dois saibam, então doa por fora. Primeiro, a empresa não pode ter dinheiro por fora, esse dinheiro por fora já está errado.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Então, no Brasil, o país da impunidade, por quê? Porque nós transigimos com procedimentos desse tipo.

Paulo Markun: Nós vamos fazer mais um rápido intervalo e voltamos já.

[intervalo]

Paulo Markun: Nós voltamos com a última parte do Roda Viva, entrevistando esta noite o vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar com mais uma rodada de perguntas de telespectadores que nos acompanham das capitais brasileiras.

[Vídeo com perguntas]

José Carlos de Souza: Eu sou professor aqui da Universidade Federal de Santa Catarina e coordenei a equipe do projeto Rondon, que fez a operação aqui, de 2005. Eu queria saber se o Ministério da Defesa pretende continuar com esse projeto que foi tão importante para os jovens conhecerem melhor o Brasil?

José Luiz Gobbi: Recentemente, a imprensa nacional divulgou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso falou que durante o início do seu governo ele recebeu, sofreu pressão dos Estados Unidos para invadir a Colômbia. Eu gostaria de saber se as Forças Armadas Brasileiras se prestariam ou se prestam a um papel desses, ir à guerra a pedido de outro país, se as Forças Armadas Brasileira estão prontas para ir para guerra, e se é da índole do brasileiro a guerra?

Eliomar Alves: Você acharia que com essa crise toda a CPI daria ou não em "pizza", ou resolveria?

Paulo Duarte: A minha pergunta ao vice-presidente José Alencar:exatamente o porquê do silêncio dele diante de tantas denúncias envolvendo o governo federal?

Paulo Assi: O governo Lula, especialmente o Partido dos Trabalhadores, no início dessa crise atribuiu-a a uma conspiração das elites. Vossa excelência se considera parte dessa elite que conspirou contra o presidente?

Sérgio Lima: Gostaria de saber se o senhor se arrepende de ter participado do governo Lula diante do desgaste que foi esse ano de 2005?

[Fim do vídeo]

Paulo Markun: E antes da gente voltar para o vice-presidente, temos também a pergunta da cantora Fafá de Belém, aqui de São Paulo, que também fala dessa crise.

Fafa de Belém, em vídeo: Senhor vice-presidente, doutor José Alencar, eu acredito firmemente que o país pode sair muito melhor desta crise que nós estamos vivendo no momento, acredito que se aprofundarmos as investigações nós podemos finalmente detectar a base, o gene do vírus da corrupção. Agora, eu como brasileira e cidadã, que acredita neste país, acredito no povo brasileiro, pergunto ao senhor: alguns que estão envolvidos com tudo isso e uma boa parte, não só do PT, mas de todo Congresso Nacional, é caso de CPI ou caso de polícia, de delegacia?

José Alencar: Não. muito bem. Todos que merecem que eu responda. Não sei se daria tempo de responder a todos, mas em homenagem a todos vou responder a Fafá, nossa querida Fafá de Belém. Eu penso que ela tem razão, há determinados casos que são mais para polícia do que para CPI, e por falar em polícia, nunca o Brasil possuiu um trabalho tão importante como tem sido feito pela Polícia Federal. A Polícia Federal tem crescido e tem se aparelhado e tem realizado um trabalho admirável, tanto que, a impressão que se tem é que tem havido crescimento do crime no Brasil, porque tem havido muitos casos em que a polícia chegou e descobriu coisas que não estavam sendo vistas. Então, daí a razão pela qual nós temos que prestar uma homenagem à Polícia Federal, que tem feito um trabalho realmente maravilhoso e está se aparelhando cada vez mais. E acho que há muitos casos que são realmente de polícia e nós gostaríamos muito que o Brasil acabasse com o problema da impunidade. O Brasil é um país que, vamos dizer, é aquela história... Quase que cultural, em qualquer país, a priori, as pessoas são honestas. Aqui no Brasil, a priori, as pessoas são desonestas, e fica por isso mesmo.

Paulo Markun: Mas o senhor... aquilo que choca justamente a sociedade, vice-presidente, é o fato de que o PT apresentou-se ao longo de toda a sua história como partido diferente, partido que ao chegar ao poder faria diferente e não era igual a tudo isso que está aí. Porém, quando chega ao poder desemboca nessa crise, que nasce dentro do partido do governo, para não dizer que nasce dentro do governo, porque parece que nasceu dos dois lados.

José Alencar: Não, veja bem. Eu concordo que nós precisamos realmente ver a origem disso, e dentro do próprio PT.  E agora, hoje, por exemplo, foi a eleição do PT.  Havia sete candidatos, se não me engano, e quase todos preocupados com essa situação. O próprio presidente em exercício do PT, que é nosso querido Tarso Genro [político histórico do PT, foi prefeito de Porto Alegre, ministro da Educação, das Relações Institucionais e da Justiça] lá do Rio Grande do Sul.

Paulo Markun: Ex-ministro da Educação.

José Alencar: Ex-ministro da Educação, ele tem dado demonstração das preocupações em relação ao partido. Você vê hoje, a imprensa toda publica uma entrevista do deputado José Dirceu [político histórico do PT, ex-líder estudantil, ex-deputado, foi um dos principais articuladores da campanha de Lula à presidência, foi ministro chefe da Casa Civil entre 2003 e 2005, ano em que se afastou devido a denúncias de corrupção e compra de votos de parlamentares] dizendo que não abre mão de sua responsabilidade. Então, isso também é uma palavra, uma palavra que tem sido vista com...

Paulo Markun: Em seguida, diz que ele não sente...

José Alencar: Como do ponto de vista positivo, quer dizer, ele não está fugindo da responsabilidade, então, a Fafá disse muito bem, ela acredita no Brasil, ela acha que essa crise pode leva a dias melhores, e poderá realmente.

Josemar Gimenez: Vice-presidente, para isso, o senhor acha que seria importante essa questão. Sendo do Congresso, por exemplo, nós tivemos o Roberto Jefferson [político filiado ao PTB que denunciou o esquema do "mensalão", dando origem à crise política, acabou tendo o mandato cassado por estar envolvido no esquema que denunciou] e agora tem dezessete deputados. O senhor é favorável a essa, entre aspas aí, essa deplorável parte do Congresso, com base nessas denúncias, o senhor é favorável à cassação desses outros mandatos?

José Alencar: Olha, eu sou favorável a uma pena justa, eu não quero pena branda e nem pena rigorosa, eu quero pena justa.  Cada caso é um caso, e o direito...

Josemar Gimenez: O senhor acha que tem caso...

José Alencar: E o direito de defesa é do estado de direito democrático. "A democracia", como disse o Winston Churchill [(1874-1965) foi primeiro ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, tido como político habilidoso e homem inteligente], "é um péssimo regime só que não há outro melhor", então vamos exercitá-la, vamos fortalecer, em qualquer país democrático pode haver esse tipo de crise, pode haver em muitos países.

Josemar Gimenez: O senhor acha que existem deputados ali que merecem ser absolvidos?

José Alencar: Eu acho que, a todos, é permitido o direito de defesa, a todos.

Josemar Gimenez: Vice-presidente.

Helena Chagas: O senhor acha que a oposição está se comportando...

José Alencar: Todos têm direito de defesa e, a priori, na minha opinião, as pessoas são honestas até que provem o contrário, e o dos que aprovem, é de dentro, inclusive.

Clóvis Rossi: Todos aí devem dinheiro a ser contabilizado confessadamente.

José Alencar: Como?

Clóvis Rossi: O direito de defesa foi exercido. Confessaram claro e abertamente que receberam dinheiro não contabilizado. Isso não é uma forma de falta de decoro? O que mais?

José Alencar: O Supremo deu uma liminar agora justamente para permitir o direito de defesa.

Clóvis Rossi: Tudo bem.

José Alencar: Então, veja bem.

[todos falam ao mesmo tempo]

Clóvis Rossi: Não foi negado o direito de defesa.

José Alencar: Exatamente.

Clóvis Rossi: E ainda apareceram nas listas, recebendo dinheiro não contabilizado. Delúbio Soares [O ex-tesoureiro do PT foi acusado por Roberto Jefferson de ser um dos principais operadores do "mensalão"] foi à CPI, confessou diante das câmeras de televisão dinheiro não contabilizado para pagar as dívidas do partido, para não falar "caixa dois". Esse pessoal todo recebeu esse dinheiro. Isso é crime, isso é falta de decoro.

Mário Simas Filho: Está comprovado que receberam.

Clóvis Rossi: Está comprovado que receberam?

Clóvis Rossi: Que mais de direito, o direito de defesa precisa?

José Alencar: Para isso há a investigação, a investigação está posta...

Clóvis Rossi: A investigação levou a essas conclusões que eu estou contando.

José Alencar: Mas sim, espera. Mas a investigação tem que chegar ao julgamento e, obviamente, nesse ínterim, há o direito de defesa.

Helena Chagas: A oposição está exagerando no papel dela na CPI quando ela fala em impeachment? O senhor acha que a oposição está sendo radical, ou ela está cumprindo corretamente seu papel?

José Alencar: Olha, veja bem Helena, o problema de impeachment do presidente é descabido, não tem propósito. O presidente não tem nada, nada, absolutamente, nada a ver com isso. O presidente é um homem de bem e eu estou informando isso aqui para vocês e o que eu falo na minha casa com meus filhos, com meus netos. Eu tenho neto de vinte e cinco anos de idade. Então, eu não sou mais criança, eu tenho uma vida, eu tenho 48 anos de casado. Eu, por exemplo, a minha família toda acompanha a política, porque acompanha torcendo e rezando para mim. E, todo dia, graças a Deus, que o nome do Zezé [apelido de José Alencar entre os familiares] não apareceu em nada, graças a Deus não apareceu.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: E ficam orgulhosos de mim. Então, eu fico imaginando umas coisas dessas que estão acontecendo hoje, com essas famílias.

Paulo Markun: Vice-presidente.

José Alencar: Eu fico imaginando, porque é aquela história, o cidadão tem que honrar pelo menos a sua família, no mínimo.

Paulo Markun: Eu tenho que fazer a pergunta do Rogério Pereira, umas das dificuldades dessa função de mediador aqui, que a gente recebe inúmeras perguntas e nem sempre consegue fazer. Mas o Rogério Pereira, que é estudante universitário, queria fazer a pergunta que nós jornalistas não fizemos que é a seguinte: ele gostaria de saber se o senhor aceitaria integrar uma chapa com o presidente Lula em 2006, e se acredita que a política desenvolvida pelo governo que o senhor integra será capaz de levar a uma vitória nas próximas eleições presidenciais.

José Alencar: Eu acho que a resposta é positiva, eu percebi...

Paulo Markun: O senhor se integraria à chapa?

José Alencar: Se for com... Tudo tem seu tempo, tudo tem seu tempo. Por enquanto, nós não estamos pensando em eleição, primeiro. Segundo, eu não tenho partido.

Paulo Markun: Sim.

José Alencar: Então eu, mesmo que o presidente me convidasse, hoje, para ser candidato à vice, eu primeiro tenho que me filiar a algum partido, e antes de me filiar a um partido, tenho que decidir se vou voltar a esta filiação ou a uma filiação qualquer. Eu tenho que ver, tenho vários convites, vários, vários apelos até de companheiros.

Paulo Markun: E senhor acha que a política do governo é confiável e permite levá-la ao segundo mandato?

José Alencar: Eu acho que a política monetária está errada. A política tem muitos pontos altamente positivos e já falei alguns deles aqui, um deles, por exemplo, a política externa do presidente Lula é uma política admirável, o Brasil cresceu no Conselho das Nações Unidas [ONU]. Esse esforço que o presidente faz para a ampliação do Conselho da ONU, por exemplo, é uma coisa admirável para o Brasil. O Brasil está se achegando, o Brasil está chegando. Até procuro não viajar, mas por dever de ofício tive que fazer algumas viagens. Pude ver, por exemplo, na Rússia, com todos, com o primeiro ministro, com o presidente, pude ver o prestígio hoje do Brasil, que o Brasil hoje é outro país. Eu estive, por exemplo, na África do Sul e pude ver o prestígio do Brasil na África do Sul. Estive, por exemplo, na posse do presidente de Moçambique e pude ver o prestígio do presidente Lula e do Brasil naquela região. E, então, é uma coisa que vem como resultado excepcional, participo, sim, com muita honra se for o caso.

Paulo Markun: Vice-presidente, eu queria agradecer a sua presença no nosso programa, aos nossos entrevistadores, e registrar que o Roda Viva completará mil edições no dia sete de novembro, mil programas desde sua criação, no dia 29 de setembro de 1986, e nós já estamos na contagem regressiva, na próxima segunda-feira faltarão apenas seis programas para a edição número mil. Uma boa noite a todos e até segunda-feira.    

Sobre o projeto | Quem somos | Fale Conosco